Pedro Correia

Sobre o Autor Pedro Correia

Apaixonado por viagens desde que se conhece, gosta de sentir cada momento, ouvir línguas estranhas e imaginar o que poderão estar a dizer. Gosta de sentir o prazer genuíno de se cruzar com desconhecidos de caras que nunca viu, e apreciar as coisas mais simples que normalmente são as mais marcantes. O trilho da vida é definido a cada viagem. Faz Trekking, BTT e Voluntariado.

grande canal de veneza
Crónicas de Viagem

Veneza – Adormecida pelas ondas

“Quero ser um porto suspenso no mar Um lugar sereno que não se quer afundar Quero ver os remos chocalharem nas águas E os candelabros iluminarem as luas Quero esperar um novo dia depois da escuridão Escondendo-me de barcos, pontes e da multidão Quero navegar pelas tuas veias, perdida Sentir as águas, as ondas e a vida. O mar verde …

Ler mais 0 Comentários
rio sava junto ao centro histórico de belgrado, sérvia
Crónicas de Viagem

Belgrado – Coração da Jugoslávia

Os últimos raios de sol dardejam a cidade, em mais um fim de tarde solarengo. As pessoas em passo calmo regressam a casa depois de um dia de trabalho, perdendo-se num ou noutro bar para trocar dois dedos de conversa com amigos antigos, ou de ocasião. Sentado na Fortaleza de Kalemegdan, sinto o pulso da cidade. Parece ter pressa em …

Ler mais 1 Comentário
El Castillo em Chichén Itzá
Crónicas de Viagem

Chichén Itzá – Esplendor d’El Castillo

Um uivo de espanto ecoou pelas florestas envolventes. O povo entoava gritos ensurdecedores, enquanto erguia os punhos no ar, venerando o seu Deus. No cimo da Grande Pirâmide, um homem envolto em plumas e penas de pavão praticava o culto da representação Chac, o Deus da chuva. “As nossas terras estão secas!”, gritou. Milhares de vozes, cá em baixo reagiram …

Ler mais 0 Comentários
Cabeça de Buda envolto em raízes
Crónicas de Viagem

Ayutthaya – Cidade dos três chedis

Um cheiro nauseabundo impregnava o ar. A epidemia de varíola tinha-se alastrado mais depressa do que o previsto. Lop Buri era uma cidade perdida. Uma cidade doente. Nas ruas os cães representavam um perigo constante. Abandonados pelos seus donos vagueavam esfomeados, revolvendo o lixo, procurando qualquer coisa que lhes aconchegasse o estômago. Mendigos pontilhados pelo surto, apresentavam marcas pelo corpo …

Ler mais 1 Comentário
Jemaa El Fnaa
Crónicas de Viagem

Marraquexe: dança encantada

Ondulante e segura, rolava ao som da música indiferente ao ambiente que a rodeava, num movimento de plena sensualidade, cativante aos meus olhos fixos nas suas curvas. Circunspecto, imobilizei-me durante breves minutos que me pareceram horas, como se fosse um ser estático sob o efeito do hipnotismo. A música invadiu-me subtilmente o cérebro, criando uma onda electrizante em todo o …

Ler mais 0 Comentários
Rio Amstel desde a ponte Magere Burg
Crónicas de Viagem

Amesterdão – Película a preto e branco

Andei, andei, andei… Olhei para todos os lados, percorri o mesmo caminho vezes sem conta, ora para um lado ora para outro. Parei, coloquei-me de cócoras enquanto experimentava a chave do cadeado, e nada. Um pouco mais à frente tentava novamente, sem que houvesse qualquer sinal de que a chave que possuía fosse gémea do cadeado que tentava abrir. Senti-me …

Ler mais 0 Comentários
Baías Loh Dalam e Ton Sai nas ilhas Phi Phi
Crónicas de Viagem

Phi Phi – Paraíso na terra

O corsário velejava calmamente, deslizando sobre as águas transparentes do mar Andamão. Parado, parece um vasto chão que se estende em tons degradés, como se fosse um catálogo de tintas. Pequenas ilhotas suspensas, parecem isoladas, sem que qualquer sinal de perigo possa derivar de lugar tão paradisíaco. Por detrás das pequenas ilhotas que o corsário fintou, surge aos poucos o …

Ler mais 0 Comentários
East Side Gallery
Crónicas de Viagem

Berlim – E o muro caiu

“Passa-me essa pá, e alumia esta zona”. Enquanto escavava sob o esforço de várias horas acumuladas, os seus ombros e braços iam dando de si, estalando após cada movimento. Outro elemento do grupo tomou a dianteira, com uma picareta em punho, desferindo golpes firmes no chão duro, como se descarregasse toda a raiva que residia dentro de si. O frio …

Ler mais 0 Comentários
marcas de artilharia em edifício
Crónicas de Viagem

Dubrovnik – Renascida das cinzas

Mais uma bomba, e mais outra, seguida de outra. Os quatro torpedeiros ancorados em frente às muralhas continuavam sem dó nem piedade a bombardear a “cidade muralhada”, destruindo moradias, telhados, bibliotecas, cafés, restaurantes, igrejas e a própria muralha. A cidade permanecia indefesa, perante o ataque tão massivo da Marinha Montenegrina e Sérvia, que no decorrer da guerra civil, além de …

Ler mais 2 Comentários
grande duna de Merzouga
Crónicas de Viagem

Merzouga – Chá do Deserto

O sol tórrido presenciava a passada lenta dos camelos, caminhando sobre a areia escaldante, quase envoltos numa ténue sonolência. A caravana seguia um trajecto imaginário, conduzido pelos cameleiros, num silêncio sepulcral em busca do vazio. Envolto em panos, qual tuaregue, tentava abrigar-me do sol da forma que podia. A água que levava no cantil, já tinha aquecido. Parecia estar a …

Ler mais 0 Comentários